Sobre mim

Minha foto
Jovens Adoradores
Caucaia, Ceará, Brazil
Somos jovens adoradores e colocamos Deus em primeiro lugar em nossas vidas, seguindo Seu caminho conforme Sua vontade em nós!!!
Visualizar meu perfil completo

Seguidores

Translate

Visualizações

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Marcha pra Jesus e Parada Gay viram assunto de polêmica

Dois colunistas propagonizaram uma verdadeira polêmica envolvendo a Marcha para Jesus e a Parada Gay. Gilberto Dimenstein publicou na Folha on line, em seu blog, um texto de cunho altamente preconceituoso contra a marcha dos evangélicos. Reinaldo Azevedo, outro colunista famoso, da Revista Veja, respondeu duramente às críticas feitas por Deimenstein, o rebatendo linha por linha.
Veja agora o texto em questão:

Gilberto Dimenstein, para manter a tradição — a seu modo, é um conservador, com sua mania de jamais surpreender — , resolveu dar mais uma contribuição notável ao equívoco ao escrever hoje na Folha Online sobre a Marcha para Jesus e sobre a parada gay.

São Paulo é mais gay ou evangélica?

{Sem qualquer investimento voluntário na polissemia, é um texto tolo de cabo a rabo; do título à última linha. São Paulo nem é “mais gay” nem é “mais evangélica”. Fizesse tal consideração sentido, a cidade é “mais heterossexual” e “mais católica”, porque são essas as maiorias, embora não-militantes. Ora, se a diversidade é um dos aspectos positivos da cidade, como sustenta o articulista, é irrelevante saber se a cidade é “mais isso” ou “mais aquilo”, até porque não se trata de categorias excludentes. Se número servisse para determinar o “ser” da cidade — e Dimenstein recorre ao verbo “ser” —, IBGE e Datafolha mostram que os cristãos, no Brasil, ultrapassam os 90%.}

Como considero a diversidade o ponto mais interessante da cidade de São Paulo, gosto da idéia de termos, tão próximas, as paradas gay e evangélica tomando as ruas pacificamente. Tão próximas no tempo e no espaço, elas têm diferenças brutais.

{Nessas poucas linhas, o articulista quer afastar a suspeita de que seja preconceituoso. Está, vamos dizer assim, preparando o bote. Vamos ver.}

Os gays não querem tirar o direito dos evangélicos (nem de ninguém) de serem respeitados. Já a parada evangélica não respeita os direitos dos gays (o que, vamos reconhecer, é um direito deles). Ou seja, quer uma sociedade com menos direitos e menos diversidade.

{Está tudo errado! Pra começo de conversa, que história é essa de que “é um direito” dos evangélicos “não respeitar” os direitos dos gays? Isso é uma boçalidade! Nenhum evangélico reivindica o “direito” de “desrespeitar direitos” alheios. A frase é marota porque embute uma acusação, como se evangélicos reivindicassem o “direito” de desrespeitar os outros.}

{Agora vamos ver quem quer tirar o direito de quem. O tal PLC 122, por exemplo, pretende retirar dos evangélicos — ou, mais amplamente, dos cristãos — o direito de expressar o que suas respectivas denominações religiosas pensam sobre a prática homossexual. Vale dizer: são os militantes gays (e não todos os gays), no que concerne aos cristãos, que “reivindicam uma sociedade com menos direitos e menos diversidade”. Quer dizer que a era da afirmação das identidades proibiria cristãos, ou evangélicos propriamente, de expressar a sua? Mas Dimenstein ainda não nos ofereceu o seu pior. Vem agora.}

Os gays usam a alegria para falar e se manifestar. A parada evangélica tem um ranço um tanto raivoso, já que, em meio à sua pregação, faz ataques a diversos segmentos da sociedade. Nesse ano, um do seus focos foi o STF.

{Milhões de evangélicos se reuniram ontem nas ruas e praças, e não se viu um só incidente. A manifestação me pareceu bastante alegre, porém decorosa. Para Dimenstein, no entanto, a “alegria”, nessa falsa polarização que ele criou entre gays e evangélicos, é monopólio dos primeiros. Os segundos seriam os monopolistas do “ranço um tanto raivoso”. Ele pretende evidenciar o que diz por meio da locução conjuntiva causal “já que”, tropeçando no estilo e no fato. A marcha evangélica, diz, “faz ataques a diversos segmentos da sociedade” — neste ano, “o STF”. O democrata Gilberto Dimenstein acredita que protestar contra uma decisão da Justiça é prova de ranço e intolerância, entenderam? Os verdadeiros democratas sempre se contentam com a ordem legal como ela é. Sendo assim, por que os gays estariam, então, empenhados em mudá-la? No fim das contas, para o articulista, os gays são naturalmente progressistas, e tudo o que fizerem, pois, resulta em avanço; e os evangélicos são naturalmente reacionários, e tudo o que fizerem, pois, resulta em atraso. Que nome isso tem? PRECONCEITO!}

Por trás da parada gay, não há esquemas políticos nem partidários.

{Bem, chego a duvidar que Gilberto Dimenstein estivesse sóbrio quando escreveu essa coluna. Não há?}

Na parada evangélica há uma relação que mistura religião com eleições, basta ver o número de políticos no desfile em posição de liderança.

{Em qualquer país do mundo democrático, questões religiosas e morais se misturam ao debate eleitoral, e isso é parte do processo. Políticos também desfilam nas paradas gays, como todo mundo sabe.}

Isso para não falar de muitos personagens que, se não têm contas a acertar com Deus, certamente têm com a Justiça dos mortais, acusados de fraudes financeiras.

{Todos sabem que o PT é o grande incentivador dos movimentos gays. Como é notório, trata-se de um partido acima de qualquer suspeita, jamais envolvido em falcatruas, que pauta a sua atuação pelo mais rigoroso respeito às leis, aos bons costumes e à verdade.}

Nada contra –muito pelo contrário– o direito dos evangélicos terem seu direito de se manifestarem. Mas prefiro a alegria dos gays que querem que todos sejam alegres. Inclusive os evangélicos.

{Gilberto Dimenstein precisa estudar o emprego do infinitivo flexionado. A inculta e bela virou uma sepultura destroçada no trecho acima. Mas é pior o que ele diz do que a forma como diz. Que história é essa de “nada contra”? Sim, ele escreve um texto contra o direito de manifestação dos evangélicos. O fato de ele negar que o faça não muda a natureza do seu texto. Ora, vejam como os militantes gays são bonzinhos — querem que todos sejam alegres —, e os evangélicos são maus: pretendem tolher a livre manifestação do outro. SÓ QUE HÁ UMA DIFERENÇA QUE A ESTUPIDEZ DO TEXTO DE DIMENSTEIN NÃO CONSIDERA: SÃO OS MILITANTES GAYS QUE QUEREM MANDAR OS EVANGÉLICOS PARA A CADEIA, NÃO O CONTRÁRIO. São os movimentos gays que querem rasgar o Artigo 5º da Constituição, não os evangélicos.}

Civilidade é a diversidade. São Paulo, portanto, é mais gay do que evangélica.

{Hein??? A conclusão, obviamente, não faz o menor sentido nem decorre da argumentação. Aquele “portanto” dá a entender que o autor demonstrou uma tese. Bem, por que a conclusão de um texto sem sentido faria sentido? Termina tão burro e falacioso como começou.}


Resposta de Reinaldo azevedo, comentando (entre chaves) o artigo (em itálico) de Gilberto Dimenstein.

Testemunho curioso: benção certa na loja errada

Pastor ora no local errado e loja é abençoada e prospera

Uma cena diferente pegou de surpresa alguns funcionários de uma loja de produtos de segurança. Chegando para mais um dia de trabalho eles encontraram a frente da loja coberta com um óleo estranho. Pensando que seria uma macumba ou feitiçaria contra a empresa, o dono foi conferir as câmeras de segurança e descobriu que na verdade eles receberam a presença de um pastor evangélico.

A cena curiosa aconteceu em Divinópolis, Minas Gerais. O Pastor foi orar pela loja de uma cabelereira e acabou errando o endereço, abençoando e ungindo o local errado. O mais curioso é que, apesar de não ser o local certo, o dono da loja conta que após a oração seus lucros subiram e o telefone não parou mais de tocar com clientes pedindo novos serviços: “Se benzeu para o bem eu agradeço, se benzeu para o mal saiu pela culatra porque melhorou bastante”, afirma o sorridente empresário.

A cabelereira ainda espera a visita do Pastor para também prosperar em seus negócios.

Veja abaixo a reportagem da TV Alterosa, afiliada do SBT em Minas Gerais:





fonte: portal cristão Gospel+

Jovens ADC saem da rotina e evangelizam na praça da cidade

Vivendo não só de Palavra, mas de PODER
Dia 27 de Junho de 2011, ficou pra História...
História contada pelos Jovens da AD Caucaia...
Mudança de Planos e de Rotina.
Nas terças-feira sempre visitamos as congregações...
Mas nessa terça fizemos diferente quando atendemos a ordem do mestre. Ele sempre tem algo melhor e surpreendente a fazer....e os seus planos são bons!

Quando modificamos a rotina, ou melhor, quando saímos dela, estando na direção e vontade de Deus, o projeto é totalmente proveitoso.

Decidimos pegar os jovens de surpresa, pensando que iríam a um Culto de Jovens. Fomos mostrar ao mundo porque somos Jovens diferentes. Fizemos uma planfletagem e evangelismo na praça de caucaia, na entrada da cidade, onde muitos jovens ficam de bobeira. Fomos alcançar essas vidas de bobeira, para Jesus.
A dúvida sempre batendo à porta do nosso coração: "Será que seremos bem aceitos e vistos? Será que os jovens iram gostar de sair da Rotina?"

Cerca de 25 Jovens, a maioria com a blusa do Centenário das AD's, saíram a fazer o ide do Senhor, distribuindo as benção de Deus que outrora receberam, repassando-as mundo a fora!

Ao chegarmos, logo logo as dúvidas foram sendo totalmente destruídas ao se depararem com o Operar de Deus atravéz da palavra de Jesus, sendo regada pelo Espirito Santo que convence o homem do pecado. 10 vidas se renderam aos pés de Jesus, declarando que só existe um Deus
que ofereceu Paz e Descanço para as nossas almas, entregando o seu Único Filho por nós, sofrendo e sendo morto, levando sobre si as nossas iniquidades e dores e nos dando o direto a vida eterna com Ele. Pessoas, na maioria jovens, que estavam à espera de alguem que lhes falassem uma palavra amiga e não carrasca, vinda de Deus!
Deus sempre nos surpreende, atraves de simples passos que damos. Deus faz coisas Grandes....Grandes e Importantes...atraves de um só passo nosso!!!



E VOCÊ está fazendo o que que ainda nao deu esse passo? Ainda não fez nada? Atenda ao chamado do Senhor para a sua vida. Não tem com quem ir e fazer? JUNTE-SE A NÓS!

JOVENS ADC, vivendo não só de Palavra (falácia, papo furado) mais de PODER (atitude, ação)!!

Paz do Senhor e
m Cristo!
- John Lennon -
segunda-feira, 27 de junho de 2011

Mural Jovens ADC

Paz do Senhor, ungidos! Estamos estreiando hoje um espaço feito especialmente pra você. Isso mesmo, esse é o seu espaço. O mural é onde você vai participar diretamente de nosso blog, enviando palavras, poemas, músicas, fotos, testemunhos, vídeos, tudo comentado por você.
E quem estréia nosso MURAL é a Deborah Nascimento, contando seu testemunho sobre a viagem que fez a Belém-PA para participar do centenário da AD igreja-mãe.
***

Centenário: Testemunho

Não caí de paraquedas nessa viajem. Meu testemunho começa a 5 anos, quando as AD's estavam completando 95 anos. Eu estava empolgada para assistir as transmissões da festa pelo canal da igreja de Belém. Dias antes de começar as comemorações o canal ficou fora do ar e eu perdi a festa toda. Fiquei xateadada com isso e coloquei em meu coração uma vontade de participar pessoalmente das comemorações quando chegássemos na festa do centenário. Não tirei esse desejo da minha cabeça em nenhum momento. Em todos os planos que eu fazia para o futuro, incluía minha viagem para o Centenário. Simplesmente não me imaginava sem participar dessa festa. Mas até então ela estava sendo gerada somente nos meus pensamentos e no meu coração. Os anos se passavam, ela se aproximava, só que não existia nada de concreto ainda.

Quando eu acabei o ensino médio no começo de 2010, senti que era a hora de começar a agir para tornar meu sonho real. Lembro que estava mais uma vez em frente a televisão assistindo o programa da igreja em Belem com o pr. Samuel Câmara quando ele mostrava os desafios do centenário, os prédios que eles iriam construir. Ele pediu contribuições pois era uma obra de fé com muitos gastos. Eu pensei em meu coração "Senhor, quero um emprego pra que eu possa pagar minha viagem pois minha família não tem condições de pagar pra mim. No meu primeiro emprego vou enviar meu 1º salário para a igreja em Belém." Eu fiquei de ir em uma oração de jovens no sábado para "oficializar" o voto que Deus colocou em meu coração. Meus amigos se mobilizaram para ir deixar currículo no centro de Fortaleza, mas não me convidaram. Um dia antes de eles irem Deus usou minha mãe para me fazer ir tambem. Fiz meu currículo às pressas de noite e fui com eles de manhã. Poucos dias depois fui chamada para uma seleção na Riachuelo, eu e minha amiga Mariana. Eram 3 epatas antes da contratação. Nós passamos nas duas primeiras e fomos para a terceira etapa que era a entrevista mesmo. Minha amiga não passou, mas agradeço a Deus por ter feito ela ir comigo até o fim, pois me deixou mais à vontade na entrevista. Pra glória de Deus poucos dias depois, na minha primeira entrevista de emprego, antes até de eu ter ido na oração de jovens, eu já estava empregada. Cumpri com meu voto e dediquei à obra de Deus em Belém meu 1º salário. Estava muito feliz por ter essa oportunidade de juntar recursos para viajar. Depois de algums meses as coisas no trabalho começaram a complicar pra mim, então decidi sair pois tinha que me preparar para receber outra benção do céu (talvez conte em outra oportunidade) e não podia trabalhar nesse período. O fato é que agora estava sem fonte de recursos para pagar minha viagem que estava à meses de acontecer. Fiquei receiosa quanto a está saindo de um emprego dado por Deus, mas nunca perdi a fé, acreditei que Deus me daria outro emprego nem que fosse em cima da hora.Só que Ele já tinha preparado tudo para mim sem eu saber.

Em 2009 eu fiz uma prova estadual pelo colégio. Na época os diretores e coordenadores fizeram um apelo aos alunos para que levassem a prova à sério, pois ela definia a distribuição de recursos do governo estadual para as instituições e o nosso colégio não vinha obtendo bons resultados. Eles pouco falaram em premiação, o nosso esforço era pra melhoria da nota do colégio. Abracei a causa e fiz essa prova com todo o interesse. Em 2010 já nem lembrava da prova quando recebi uma ligação da minha irmã. Tinham ligado do meu ex-colégio pra minha casa, informando que eu tinha ganhado um computador por ter tirado uma boa nota naquela prova do Estado. Na mesma hora entendi do que se tratava, era Deus que estava providenciando os recursos da minha viagem. Meses depois recebi meu prêmio e conseguimos um comprador, que não atrasou uma parcela sequer no pagamento.

A minha batalha por recursos ja havia sido vencida, mas faltava outra muito importante que era conseguir alguem com quem eu viajasse. Meus pais sempre foram muito cuidadosos e não aceitaram a idéia de eu ir sozinha. Eu tinha que procurar alguma caravana pra viajar. Fiz contatos, procurei na internet mas não tinha nada em que meus pais confiassem realmente. Eu quis me preocupar quanto a meus pais não me deixarem ir, mas sabia que Deus tambem tinha preparado tudo. Depois de se esgotar todas as possibilidades em que pensamos, meus pais decidiram sair nas igrejas de Fortaleza à procura de grupos que íam para a festa. Encontraram a ir. Tamar Jorge da AD Bela Vista. Eles ficaram descançados por ela ser conhecida de nosso pastor Erivelton. Comecei o pagamento das parcelas e até na hora de ir pagar eu passava por lutas. Ainda tinha o detalhe da minha faculdade acabar bem na semana da viagem. Graças a Deus consegui passar nas disciplinas sem precisar fazer as provas desse período, que eram as provas de recuperação.

Um dia antes de viajar, comecei a ter dor de garganta e passei o dia com febre. Fiz minha mala, tomei remédio e fui dormir. Acordei sem febre, tomei banho e merendei normalmente. Quando meu pai começou a tirar o carro para ir me deixar com minha família eu comecei a me tremer toda. Entrei no carro e continuava me tremendo. Vesti os agasalhos e me enrolei da cabeça aos pés, mas não conseguia parar de me tremer. Me deu um frio tão grande que batia os dentes e contraía todos os músculos do corpo. Meus pais e minha irmã ficaram logo preocupados e me falaram que, se quando chegasse lá eu ainda tivesse daquele jeito, eu iria voltar pra casa. Eu pensei "Senhor, não cheguei até aqui para não ir em cima da hora". Minha irmã fez uma oração dentro do carro antes de chegarmos lá, e foi só chegar para a tremedeira passar e febre voltar. Tomei remédio novamente e subi no ônibus pela fé. Deus ouviu nossas orações. Para a honra e glória do Senhor eu fui, peguei até a quintura do estádio a noite, me alegrei muito no evento e não senti mais nada. Obrigada, Senhor!

Centenário: a viagem

Foi benção do começo ao fim. Já comecei a me alegrar dentro do ônibus de viagem a caminho do evento. Vi uma irmã triste que apareceu de última hora, avisando que não ía poder viajar. Mais à frente, sobe em nosso ônibus uma jovem em lágrimas, pois tinha acabado de ganhar a passagem daquela irmã que desistiu. O nome da felizarda é Meiriane, ela foi convidada de última hora e viajou só com a roupa do corpo, sem lenço nem documento. Nem teve tempo de fazer as malas, que foram trazidas no outro dia por uma irmã que veio de avião. E esse não foi o único testemunho que ouvi no ônibus. Foram vários, desde um irmão que sofreu uma acidente de moto no dia anterior à viagem e saiu ileso, até outras pessoas que também ganharam a passagem. Testemunhos de curas antes da viagem, de providências financeiras para a viagem, enfim, passamos o dia nos alegrando e contando as benção do Senhor, na ida e na volta. O ônibus ficou pequeno para a unção de Deus que desceu sobre seus passageiros. Viajava comigo pessoas de várias idades, inclusive uma senhora muito simpática de 79 anos chamada ir. Zita. Me alegrei ao ver tanta vitalidade e disposição naquela senhora.
Outro detalhe curioso da viagem foi observar as inúmeras igrejas da AD que apareciam no caminho. Como diz a canção "em cada povoado tem uma igreja, o iminigo já perdeu a peleja". Glória Deus!
Ao chegarmos em Belém, fomos contagiados. A cidade estava em festa, respirava o centenário. Por todos os lados víamos outdoors parabenizando a AD pelo aniversário e convidando para a festa.
E quão grande não foi minha alegria ao ver pela 1ª vez o Centro de Convenções do Centenário, o Elevado Daniel Berg e o Templo da Igreja-mãe das AD's. Que honra para mim transitar na Avenida Centenário e no Elevado Gunnar Vinngren.


centro de convenções Centenário

Centenário: a festa

Fico extremamente feliz em ter tido a honra de participar dessa comemoração ao centenário feito pela Igreja-mãe, tanto quanto em participar das festividades aqui na minha igreja AD Caucaia.
E foi uma festa linda do começo ao fim. O primeiro evento do qual participei foi a noite de abertura no estádio Mangueirão, dia 16 de junho. Logo ao chegar já me deparei com uma fila de pessoas para entrar. Ainda era de tarde, mas a rampa que dava acesso às arquibancadas já estava lotada. A felicidade tomava o coração das pessoas logo na entrada. Vi o estádio lotar aos poucos. E quanta animação é o povo de Deus reunido! O estádio cantava, batia palmas e fazia a hola enquanto aguardava o início do evento.
Algumas cantores se apresentaram e teve inicío à contagem regressiva no telão, acompanhada em coro por 60 mil pessoas. É indiscritível a sensação de está presente alí. A coreografia de abertura foi muito bem preparada. Encenava a chegada dos missionários em Belém -PA ao som de "Avante vai!", uma das músicas oficiais. Filmei um começo da abertura que foi apresentada no segundo dia.




E a coreografia não parava por aqui. Logo em seguida, ouvio-se no estádio a voz de Gunnar Vingren atravéz de trechos da entrevista que ele deu contando a história da chegada. Eles formaram um imenso mapa do Brasil e encenaram a chegada de cada um dos pioneiros nos estados. Os primeiros, Daniel e Gunnar, chegaram em um mini navio atravessando o oceano, que também foi representado por muitas pessoas. Um detalhe interessante é que, quando eles anunciavam o estado e o ano em que a AD chegou por lá, se acendiam no chão uma listra vermelha que saia do Pará e ía até o estado em questão. O fogo se espalhava pela nação.
Momento lindo em que as caravanas vindas de todas as parte do país aproveitavam para vibrar quando anunciavam seu estado. Depois que o fogo chegava em todos os estados, descia uma imensa bandeira do Brasil na arquibancada enquanto cantávamos o hino nacional. A festa foi abrilantada pelos fogos de artifícil, que nos lembraram a explosão de alegria do nosso coração. Outra surpresa da noite foi a pregação, que ficou a cargo de uma mulher, para reconhecer a importância femenina no ministério.


Só Deus sabe como nos sentíamos alí participando daquele momento único e inesquecível. Vibro até hoje só de lembrar. Lembro também da hora em que saí do estádio. Tinha muitas pessoas saindo de uma vez só e a rampa ficou lotada, apertada em alguns pontos. Comecei a cantar meio que brincado o hino da harpa que diz "tantos como a areia da praia, tantos como a areia do mar". A irmã que estava comigo me acompanhou e outras pessoas ao lado também. Outro momento para não esquecer.

No dia 17 de junho, pela manhã, fui ao Centro de Convenções participar de mais um culto do evento. Foram muitas apresentações, de orquestras e corais, bandas formadas por irmãs, cantores. Ouvimos uma pregação feita pelo pr. Marcos Feliciano. Ao final da pregação ele louvou a Deus com o hino Além do rio azul, outro momento em que sentimos a unção descendo naquele lugar. Outro pastor americano também fez uma pregação. Mas o que marcou mesmo aquela manhã foi a "invasão" promovida pelos pastores da AD Madureira. Em meio às divergências geradas com a convensão, o pr. Abner Ferreira no trouxe uma reflexão quando lembrou que "A única igreja mãe das AD's no Brasil é a igreja AD em Belém do PA, o resto é tudo filha da mãe", convidando todos a reconhecer a importância da igreja naquela localidade.


À noite houve mais um culto no estádio Mangueirão, em que o pregador da noite foi o pr. Silas Malafaia, trazendo uma palavra abençoada de exortação a igreja AD.

No dia 18 de junho participei de mais um evento matutino. Foi a encenação da chegada dos pioneiros, que aconteceu na Escadinha. Atores vinheram em um navio e desembarcaram em meio a centenas de espectadores. Também fiz uma filmagem desse evento.



Seguiram dalí para uma carreata que reunio cerca de 5 mil veículos, passando pela trajetória feita pelos missionários.


A última noite do evento (18/06) no Mangueirão não poderia ser mais especial. Levei um susto logo ao chegar. Mal passei pela catraca do estádio e já vi uma multidão de gente descendo a rampa, não havia dúvidas de que os portões das arquibancadas já tinha sido fechados. Mas ainda restava o gramado, pios na noite anterior ele foi liberado para o público. O grupo com o qual eu estava ficou receioso de tentar entrar, já que a multidão era grande e tinha pessoas correndo. Eu queria entrar de qualquer jeito, pensei "Senhor, não vim até aqui para não conseguir entrar no último dia, eu não aceito isso, tua benção é completa." Finalmente o grupo decidiu entrar e seguimos a multidão. Arrudiamos o estádio até chegarmos a um local que parecia não ter saída. A multidão gritava "abre, abre, abre". Eu continuava inconformada com a idéia de perder o último dia de evento. Não havia desistido no meu coração e continuava pedindo ao Senhor para conseguir entrar. Foi quando um irmão da organização subiu no murro e começou a apontar para continuarmos andando. Ele mostrava um portão que era pequeno para tantas pessoas tentando passar ao mesmo tempo. Como cearense tem bom humor, lembrávamos que a porta do céu é mais estreita. Foi difícil passar por alí, mas nada se comparou ao aperto que foi passar pelo portão de acesso ao gramado. Me assustei com o grito que a menina do meu lado soltou após ter estremido a mão no meu braço. Quando finalmente conseguimos, entramos no gramado pulando. E que cena linda ver aquele estádio em uma visão pamorâmica das arquibancadas lotadas. Teve uma hora do evento em que o pr. Samuel Câmara pediu para todos se ajoelharem para orar. Me ajoelhei no gramado do estádio e não contive as lágrimas. A irmã Mara Lima entrou logo depois cantando "se eu orar, o céu vai mover. Se eu orar, Deus vai responder", eu simplismente não conseguia parar de chorar enquanto olhava aquele estádio e agradecia a Deus por ter está presente naquele lugar. Meus olhos se enchem de lágrimas só de lembrar.


Agradeço mais uma vez a Deus por essa vitória que ele me deu mesmo sem eu merecer. Espero que os amados irmãos se alegrem comigo. Gostaria de dizer que, se você tem pedido algo a Deus, confie e descance nele e jamás perca a fé, pois servimos ao Deus dos impossíveis. Podemos tudo Naquele que nos fortalece. Obrigada, Senhor!
segunda-feira, 13 de junho de 2011

Eventos: V Jantar dos Namorados

Dia 11 de junho aconteceu a 5ª edição do evento mais romântico do ano na AD Caucaia: o jantar dos namorados. Foi uma noite abençoada que contemplou a casais e solteiros. Todos foram convidados a agradecer a Deus pela vida das pessoas especiais que ele coloca ao nosso lado, tanto amores quanto amigos. E o tema do evento foi "O amor tudo suporta".


Quem abriu o evento foi nosso amado pr. Erivelton Gonçalvez trazendo uma palavra reflexiva. Um grupo tocando instrumentos de sopro emocionou aos presentes com sua participação especial. Diante desse clima agradável tivemos muitas declarações de amor, desde canções cantadas e dedicadas até recadinhos do coração que foram enviados por casais e solteiros para serem lidos. Vídeos mostraram clips, mensagens e peças de teatro. E a diversão ficou por conta das dinâmicas com casais e solteiros. Brindes foram sorteados. Ao final todos desfrutaram de um delicioso jantar, com direito à mesa de doces que tinha até cascata de chocolate.
Confira as fotos!
domingo, 12 de junho de 2011

PROMOÇÃO - Mais ganhadores

E os nomes dos últimos ganhadores da nossa 1ª promoção já são conhecidos.
Quem levou a blusa do centanério para casa foi nosso amado ir. Taciano.
E quem faturou a cesta de chocolate foi o abençoado ir. John Lennon.
Parabéns aos ganhadores e a todos os participantes!
Tivemos 75 comentários válidos, de 9 participantes. Quem bateu o recorde em números de comentários foi o Taciano, com 34 respostas. O vídeo mais comentado por todos foi o vídeo 3, Tadin di mim de Raissa e Ravel, com a pergunta: "como você encara a sala de espera divina?".
Foi uma verdadeira reflexão sobre assuntos voltados à área sentimental cristã.
Todos saíram ganhando e o reino de Deus foi engrandecido mais uma vez.
sábado, 11 de junho de 2011

Conversas no ônibus: Céu é para os crentes!



Antônio Bezerra Mucuripe, manhã de segunda feira, ônibus lotadoooo, pessoas sonolentas e outras não. Escuta-se um barulho de voz mais exaltada na frente, um homem está falando sobre Deus e sua fé, a volta de Cristo, céu e inferno. Outro homem escutando a declaração do outro fala “O céu é para os crentes!”. Muitos riem, outros ficam calados. Um homem que no alto de sua arrogância querendo humilhar ao outro, fala uma verdade.

Se analisarmos bem a afirmativa dele, crente segundo o dicionário “é aquele que crê”, a Bíblia nos fala que “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (Jo 3.16).

Independente de religião todo aquele que crê que Jesus é seu único e suficiente salvador, amá-lo e obedecê-lo (por que não basta apenas acreditar que Ele existe, muitos crêem em Deus, até o diabo, mas obedecer a Ele e a sua vontade em nossas vidas é o que nos torna verdadeiros cristãos) verá os Céus e viverá eternamente com Deus.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

PROMOÇÃO - Resultado do 1º sorteio

Temos o imenso prazer de anunciar o nosso 1º ganhador da Promoção Dia dos namorados.O sorteio aconteceu no dia 09 de junho, e o sortudo que ganhou o ingresso do V Jantar dos Namorados foi... João Paulo.
Parabéns! Ficamos muito felizes com sua participação.

E aos demais participantes, não desanimem que ainda tem o sorteio da Cesta de chocolate com a blusa do centenário dia 11 de junho.
Quem sabe você não é o próximo ganhador.
..

Comente aqui: Promoção Dia dos namorados:namoro cristão X polêmicas

Dia dos Namorados, mas: O que é o amor?




Ah! O amor. Simples, porém bonito.

Quem nunca amou afinal?

Muitos devem estar dizendo “Ah! Eu amo meu namorado (a)” “Já amei sim uma pessoa, mas já esqueci, é passado!”, mas eis a questão: O amor de verdade acaba? A Bíblia nos fala que o amor tudo sofre, tudo espera, tudo suporta. Se o amor suporta isso tudo, como pode acabar?

Vivemos numa sociedade em que dizemos ‘eu te amo’ para qualquer coisa ou pessoa, sem saber qual é o verdadeiro significado de amor. Estamos desvalorizamos o amor e não sabemos amar.

É muito comum a prática entre casais que mal se conhecem e fazem declarações “Você é minha vida”, “Se você não sei viver”, passam-se dois meses (ou menos) por algum motivo eles se separam, e aí? O mundo deles acabou? Morreram? NÃO! Continuam a viver. Impressionante não? Eles não diziam que um sem o outro não conseguia viver. E o amor que eles diziam que tinham, onde ficou? Haveria suportado as dificuldades, problemas, defeitos, não? Acham que dizer é a mesma coisa de sentir, muitas vezes não passa de uma paixão ou atração.

Amar vai além de beijos, abraços e estar juntos! O amor vem com o tempo, em se conhecer, é cultivado. É gostar de uma pessoa mesmo sabendo TODOS seus defeitos e todas suas manias. É compreensão, não é pensar em si e sim em NÓS, e para que melhor definição do que a da Bíblia (?): “é benigno; não é invejoso; não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” ( I Co 13.4-7)
terça-feira, 7 de junho de 2011

Entrevista:

Entrevista de Tatiana e Adriano, um dos casais que deixaram a mocidade a pouco tempo e resolveram oficializar sua união através do matrimônio.
Por Deborah e Cleiton














· Como vocês se conheceram?

Ele: Na igreja.
Ela: Foi em uma oração. Eu não era evangélica. Minha irmã me convidou para essa oração. E nessa oração não tinha cadeira para todos, eu fui a ultima a chegar. O Adriano estava bem assim na porta e o Bruno perguntou: -"Quem é que vai ceder sua cadeira"? Lá vai o Adriano ceder um cantinho para mim.Aí depois disso fomos pegando amizade e desenvolvendo. E até hoje. Graças a Deus.

· O que fez você se apaixonar por ele/ela?

Ela: Porque ele se destacava no meio dos outros. Ele pregava e prega até hoje. Um homem de Deus. Ele é diferente. Coisa de Deus mesmo. Deus preparou e aí eu namorei com ele, só queria ele.
Ele: O cabelo vermelho.

· Como vocês encararam o tempo de espera pela pessoa especial?

Ela: A gente terminou em uma época. Ficamos separados por 05 anos. Eu sabia que ele gostava de mim, e ele sabia que eu gostava dele. E aí passamos cinco anos esperando. Nós tínhamos emprego, não tínhamos uma meta. O que adiantava a gente namorar tão cedo e não ter uma meta de vida mais pra frente? Então, a gente esperou esses anos, mas, graças a Deus hoje temos um emprego bom e hoje estamos casados para a gloria de Deus.

· Você acha que a espera é difícil?
Ele: Claro!
Ela: É dolorosa, chorosa, mas, se você souber esperar a recompensa é grande.

· Quando vocês souberam: é ele/ é ela?

Ele: Por mais que tentasse se envolver com outras pessoas, nunca ia dar certo. Só dar certo com essa pessoa.
Ela: Não dava para esquecer. Todo canto que eu olhava, batia o olhar nele. Concerteza era Deus mesmo, porque não tinha como esquecer. Estávamos envolvidos toda hora na obra, tanto eu como ele. Nunca a gente se afastou um do outro, não tínhamos como.

· Qual a importância de envolver Deus no relacionamento?

Ele: Prioridade. Hoje temos nossa casa própria, toda mobiliada. Temos nove meses de casados, é a mão de Deus.

· Teve alguma coisa que marcou o relacionamento de vocês?

Ele: Os cultos de mocidade
Ela: Os evangelismos.

· Alguma música em especial?

Ele: Como é aquela da Aline Barros?
Ela: Eternos Namorados

· Como vocês se preparam para a responsabilidade do casamento?

Ele: Sempre com oração para encarar essa a cada dia. Nosso foco é sempre fazer o melhor um para o outro.

· Em que momento vocês realmente perceberam que era hora de casar?

Ele: Quando nós começamos e vê que namorar de 7 as 10 horas era pouco.
Ela: E dava a hora de ir embora aí: -“Ah, que pena! Já vai embora?!
Ele: E que 30 minutos diários no celular era pouco e tinha que ficar mais pertinho um do outro.

· Que dica e conselhos vocês deixam para os jovens que estão pensando em casar?

Ele: Não pense muito. Case logo!
Tem gente que pensa, pensa.... e acaba se deixando.
Ela: Tem muitos jovens que hoje não se firmaram, não procuram orientação de Deus. Tem muito namoro, não só namoros, até casamentos que não duram porque as pessoas não buscam orientação de divina. Não oram, não busca a Deus como prioridade.
Ele: E nem tentam fazer nada para isso.
Ela: Pensam: -“não! Vai cair do céu. Deus vai mandar do céu”. Tem que buscar, economizar. Se preparar para isso. Tudo na vida tem que ter preparo.

· O que vocês dizem para aqueles jovens que ainda estão esperando?

Ele: Que não pare de fazer a obra, não parem de evangelizar, de pregar, de participar das atividades da igreja. “E não meta os pés pelas mãos”.
Ela: Não se precipitem.

· Alguma dica para eles encararem o tempo de espera?

Ele: Cabeça ocupada. Se a cabeça ficar vazia... “-Ele não me quer, ele não me quer...” Aí vai atrás de outro.
Ela: O seu é seu, o diabo não toma!

· Que dica você, Tatiana, deixa de como encontrar a pessoa certa?

Ela: Tem muitos jovens que procuram o julgo desigual, com pessoas que não são evangélicas e eu acredito que isso é... A gente tem que procurar uma pessoa goste das mesmas coisas que a gente e que sirva o mesmo Deus que servimos. O julgo desigual acaba lhe levando para o mundo.

· Deixem uma declaração de amor um para o outro.

Ela: A única coisa que tenho para dizer para o Adriano é que eu agradeço por esses nove meses de casados. Foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida, tanto o namoro, melhor ainda depois do casamento que a gente pensa mais junto, ora junto, tem a igreja ( a do Itambé que dirigimos), e quero dizer a ele que eu o amo acima de qualquer coisa, que ele é tudo para mim.
Ele: A Tatiana para me é a maior prova de carinho e do cuidado de Deus na minha vida.

domingo, 5 de junho de 2011

Comemorações do centenário: Centésima ovelha


As igrejas AD de todo o Brasil realizaram na noite 05 de junho mais um evento especial de comemoração ao centenário. E a AD de Caucaia também entrou no clima das comemorações. O culto especial que teve por tema Centésima ovelha foi um evento que atingiu as pessoas afastadas do evangélio. O tema é inspirado na parábola do pastor que tinha 100 ovelhas e perdeu uma. Então ele deixou as 99 ovelhas no aprisco e enfrentou rochedos e espinhos para encontrar sua ovelha perdida. Ele a encontra ferida e com frio, e trata das suas feridas, tranzendo-a de volta ao aprisco.
Por ocasião do evento, tivemos a presença de muitos visitantes que foram especialmente convidados. Foi uma noite linda, na qual todos os hinos louvados faziam o convite ao retorno das preciosas "ovelhas" que se perderam no caminho. Ao final do evento, 12 vidas, entre aceitações e reconciliações, atenderam ao chamado e se renderam a Cristo, para glória de Deus. Noite abençoada em que Deus se fez presente e realizou o maior de todos os milagres: o da salvação.

Escola Dominical comemora o centenário da AD

Na manhã do domingo, dia 05 de junho de 2011, as AD's de todo o país que adotam a revista Lições Bíbilcas(CPAD) tiveram uma lição especial. E a AD de Caucaia também celebrou este momento.
A lição teve por tema "Assembléia de Deus, 100 anos de pentecoste".
Foi uma escola dominical comemorativa, ministrada pelo nosso pr. presidente Erivelton Gonçalvez às classes dos senhores, senhoras, jovens e discipulado. Os participantes puderam assistir a uma aula dinâmica que contou a história dos pioneiros Daniel Berg e Gunnar Vingren, desde seu chamado para a missão, passando por sua chegada ao Brasil, até a fundação da igreja, em 1911. Foram reveladas muitas curiosidades e histórias as quais a AD passou antes e após seu nascimento. Os professores e alunos das classes também deram sua contribuição ao participarem ativamente da aula. Foi uma verdadeira aula de história na qual foi estudado o começo da AD no Brasil, Ceará e Caucaia.
Ao final, os organizadores do evento colocaram o hino das AD's e um hino da harpa cantado pelo próprio Gunnar Vingren, para deleite da platéia. As classes infantis se reuniram e surpreenderam a todos ao encenar a viajem dos pioneiros, entrando na igreja com "Danielzinho Berg e Gunnarzinho Vingren" a bordo do "mini-navio" Clemente, e cantando a história através de uma paródia. A classe dos adolescentes também fez uma linda apresentação louvando a Deus com um hino pentecostal e bradando:"Eu faço parte dessa história!". E, para completar a benção, foi servido um delicioso lanche.
Sem dúvida esse evento ficará marcado nos nossos corações.
quarta-feira, 1 de junho de 2011

O Filho Pródigo


Um homem tinha dois filhos. O mais jovem disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me cabe’. E o pai dividiu os bens entre eles. Poucos dias depois, ajuntando todos os seus haveres, o filho mais jovem partiu para uma região longínqua e ali dissipou sua herança numa vida devassa. E gastou tudo. Sobreveio àquela região uma grande fome e ele começou a passar privações.

Foi, então, empregar-se com um dos homens daquela região, que o mandou para seus campos cuidar dos porcos. Ele queria matar a fome com as bolotas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava.

E caindo em si, disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm pão com fartura, e eu aqui, morrendo de fome! Vou-me embora, procurar o meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. Trata-me como um dos teus empregados’.

Partiu, então, e foi ao encontro de seu pai. Ele estava ainda ao longe, quando seu pai viu-o, encheu-se de compaixão, correu e lançou-se-lhe ao pescoço, cobrindo-o de beijos. O filho, então, disse-lhe: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti; já não sou digno de ser chamado teu filho’.

Mas o pai disse aos seus servos: ‘Ide depressa, trazei a melhor túnica e revesti-o com ela, ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés. Trazei o novilho cevado e matai-o; comamos e festejemos, pois este meu filho estava morto e tornou a viver; estava perdido e foi reencontrado!’ E começaram a festejar.

Seu filho mais velho estava no campo. Quando voltava, já perto de casa ouviu músicas e danças. Chamando um servo, perguntou-lhe o que estava acontecendo. Este lhe disse: ‘É teu irmão que voltou e teu pai matou o novilho cevado, porque o recuperou com saúde’. Então ele ficou com muita raiva e não queria entrar. Seu pai saiu para suplicar-lhe.

Ele, porém, respondeu a seu pai: ‘Há tantos anos que te sirvo, e jamais transgredi um só dos teus mandamentos, e nunca me deste um cabrito para festejar com meus amigos. Contudo, veio esse teu filho que devorou teus bens com prostitutas, e para ele matas o novilho cevado!’

Mas o pai lhe disse: ‘Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. Mas era preciso que festejássemos e nos alegrássemos, pois esse teu irmão estava morto e tornou a viver; ele estava perdido e foi reencontrado!’

Lucas 15, 11-32

Fonte: http://www.4c.com.br/cristianismo/jc_filho_prod.htm

Só Jesus é quem pode te perdoá mesmo você sendo ainda pecador. Na cruz do calvário Ele levou sobre si nossos pecados, dores, iniquidades. Ele te amou primeiro, volta depressa! Ele te espera.
Ele é o bom pastor que vai em busca da ovelha perdida e traz de volta para o rebanho.
Jesus é o nosso pai, paizinho, Senhor... Ele está de portas abertas te esperando.

Como diz a letra de um hino bastante conhecido: "-Filho meu, estou aqui! Esperando o momento de te encontrar, quero te abraçar".